The land was ours…

Estados Unidos

Os Estados Unidos vão a eleições dia 8 de Novembro…

De um lado Hillary Clinton

Do outro Donald Trump

São seguramente os dois piores candidatos de que há memória…

Hillary claramente apoiada pelos media Americanos, Donald apoiado pelo Americano mais típico…

 

Os Estados Unidos têm na sua génese um nacionalismo algo exacerbado…

 

Com efeito todos nós temos na memória, as bandeiras americanas a ondular nos jardins…

Todos nós guardamos na memória filmes americanos, em que o herói defende a pátria contra agressores, sejam eles externos ou internos…

Sylvester Stallone, Chuck Norris, Steven Seagal ou Arnold Schwarzenneger passaram a ser presenças assíduas na nossa televisão, e os personagens que interpretaram tornaram-se quase “Nossos Amigos”…
Foi esse nacionalismo que levou um país com pouco mais de 2 séculos de existência, a tornar-se uma potência mundial…

O “Proud to be Yankee” fez dos Americanos um povo estranho…

Ao contrário do que muita gente sugere, os Americanos não têm nada de idiotas, limitando-se muitas vezes a ignorarem o mundo que os rodeia…

 




 

Para o Americano médio, o centro do universo são os Estados Unidos, estando-se perfeitamente “nas tintas” para o que se passa fora do país…

É neste tabuleiro que o xadrez politico americano, vai eleger um novo presidente em Novembro…

De um lado uma candidata mais ligada ao “Establishment”…

Do outro, um candidato ligado ao americano mais “Terra a Terra”…

O americano que foi capaz de construir obras gigantescas em tempo recorde…

A barragem de Hoover, a ponte “Golden Gate“, o “Empire State Building” ou a “Route 66“, são apenas pequenos exemplos do que acabei de dizer…

O sistema político americano dá ao presidente, poderes quase totais…

 

Mas embora poderoso, o presidente dos Estados Unidos tem um “emprego” bastante perigoso…

 

Lincoln, Garfield, McKinley e Kennedy foram assassinados durante o mandato, e Reagan foi alvo de um atentado…

Enquanto que o eleitorado mais urbano e porventura mais instruído, vota claramente em Clinton, o eleitorado mais rural apoia Trump…

Desde a aridez do Arizona, ás pradarias do Wyoming ou ás montanhas de Idaho, o americano do “Jack Daniel´s” e da pistola “Colt“, apoia claramente o candidato republicano…

As eleições de Novembro constituem por isso um exercício apaixonante…

Irão os Estados Unidos eleger quem os mantenha na senda da globalização, ou irão eleger quem os quer fechar num casulo hermético?

O amor do americano ao seu país, pode ser retratado num poema de Robert Frost

The Land was Ours Before We Were The Land’s

 




 

Com efeito consubstanciado nas viagens de Lewis e Clark, o povo Americano acha que o país já lhe pertencia por direito divino, mesmo antes da sua existência enquanto nação…

É esse povo mais “rude” que volta em Novembro a decidir o futuro imediato de um país…

E em certa medida o futuro imediato do mundo que nos rodeia…

Porque não tenhamos ilusões…

O que se passar em Novembro nos Estados Unidos, vai repercutir-se imediatamente na nossa velha Europa…

 

Serviços de Fotografia Tapa ao Sal

 

Ler outros textos de António Franco: Aqui… e se gostou, partilhe este texto para que mais pessoas possam ler!

 

Última atualização do artigo a