5a-publicação-mns

Manuel Neto dos Santos – 5ª Publicação

CADERNO DE MONTE BOI E OUTROS VERSOS QUE ME CHAMAM COMO VOZES
Home Cultura Arte Poesia Manuel Neto dos Santos – 5ª Publicação

É breve, como as rosas, o rubor da paixão

Que o tempo se encarrega e o fogo apazigua

Pondo, no seu lugar, o amor e a razão;

Dócil toque dos dedos esculpindo a pele nua.

É breve, como as rosas, o incêndio dos sentidos,

Paixão que desvanece e após o amor advém

A amizade serena sentida por alguém…

Da sísmica partilha dos anos já vividos.

Casa

27 maio 16

16.10 h

Mistico-panteista

1

Vem! Traz-me esse fascínio das almas mais propensas

A conquistar espaços além da “realidade”

E oferece a lucidez com que esta essência adensas;

O estado em que não penso, sou livre, de verdade.

Vem! Tudo o que não sei que nome te hei-de pôr

Mas que pressinto em mim, na presença constante…

Que eu vivo sem viver se acaso estás distante…

Vem! Fascínio irmanado da mais singela flor.

2

Vem! Que te invoco e traz essa alegria plena

Que projecta estes olhos até onde se avista

Que almejo esse outro “ olhar” na oferta por conquista

Que “algo” dentro de mim me exige e “ isto” me ordena.

Ó místico pendor, telúricos segredos

Vogando pelo céu, deslizando pelo espaço…

Vem! Que este dom que é meu não sou eu bem que o faço;

Sangrando da caneta por entre os magros dedos.

3

Faça-se em mim, então, uma vontade extrema

Na gleba das palavras, dos sons, da melodia

Para que regresse à alma o que na alma havia;

A génese do ser… num trivial poema.

Vem! Que te peço agora mas, desta vez, carpindo;

Desterrado do mundo, destas “ certezas” vis…

E põe no meu semblante o riso do petiz

Que eu fui há tantos anos; ingénuo, puro e lindo.

Roubar dos deuses fogo e pô-lo em nosso peito..

Ó meu gesto impensado, ó meu gesto infantil…

Agora? Sou eu mesmo o pastor e o redil,

Rebanho tresmalhado… sonho vital, desfeito

27 maio 16

19.05 h

Praia de Paimogo - Poesia
Fotografia ilustrativa – Praia de Paimogo, Lourinhã – Foto: Sérgio Santos
 Manuel Neto dos Santos
Manuel Neto dos Santos

Autor de importante e multifacetada obra poética, grande parte dela ainda inédita.

Default image
Manuel Neto dos Santos
Poeta, actor, declamador, tradutor, poliglota. Nasceu em Alcantarilha- (Silves-Algarve) - a 21 de Janeiro de 1959. Activista cultural desde a adolescência. Figura incontornável na moderna poesia portuguesa.
Deixe um Comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.