Futebol… A Batalha Final…

Atualizado em
violencia no futebol portugues

Nos últimos dias a polémica à volta de um simples jogo de Futebol, foi levada ao extremo de se ter verificado uma luta de morte entre claques…

Aquilo que deveria constituir um evento social entre pessoas de bem, arrisca-se a ser uma luta sem quartel entre pessoas que a única coisa que têm de diferente entre si, é gostarem de um determinado clube…

Assistimos no último jogo entre Benfica e Sporting, a um elevar de tensões que poderão ter consequências trágicas se ninguém puser cobro a isto…

Sou Sportinguista desde que me conheço, mas não me revejo minimamente no tom belicoso do seu Presidente, assim como acredito que existirão pessoas ligadas ao Benfica que também não comungam das ideias dos seus órgãos dirigentes…

Não deixa de ser curioso que um adepto tenha vindo de Itália, para um confronto combinado entre claques…

A que propósito?

Por muita paixão que um clube possa despertar nos seus adeptos, é completamente irracional deixar essa paixão conduzir à morte de um ser humano…

Nos últimos anos tenho assistido a derbies noutros países, que são autênticas batalhas campais…

O Fenerbahce contra o Galatasaray

O Boca Juniors contra o River Plate

O Real Madrid contra o Barcelona, ou o Glasgow Rangers contra o Celtic, são apenas alguns exemplos de uma violência extrema associada ao futebol…

É como se o confronto físico entre as claques, servisse para aliviar as tensões do dia a dia…

Sou do Sporting, mas jamais me passaria pela cabeça atacar alguém do Benfica, em nome de um amor “cego” ao meu clube…

Começamos nos últimos tempos a ter a noção de que ir ver um simples jogo de futebol pode ser perigoso…

A modalidade ao perder espectadores vai definhar…

A indústria do futebol precisa de ser revista…

Precisa de garantir segurança a quem compra um bilhete…

Para que um campo relvado, não se transforme numa arena de morte…

Para que famílias possam conviver de uma forma saudável, à volta de um rectângulo de jogo…

Puxando naturalmente pela sua equipa, mas não caindo em tentação de agredir ninguém…

Os dirigentes que nos últimos tempos têm incendiado o ambiente à volta de um simples jogo de futebol, têm que ser advertidos…

Ou banidos…

Enquanto lideres de massas têm o dever supremo de não acicatar os ânimos…

Sob pena de por causa do seu fanatismo, matarem aquilo que no fundo não passa de um simples jogo entre 22 jogadores…

Ler outros textos de António Franco: Aqui… e se gostou, partilhe este texto para que mais pessoas possam ler!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.